Quando usamos a expressão “no meu tempo”, fica implícito que nos referimos à nossa juventude, porque, para muitos de nós, é nessa fase da vida que mais podemos usufruir das amizades, de uma maneira menos comprometida e mais divertida. Ou como bem disse Albert Camus: “O sinal da juventude talvez seja uma extraordinária vocação para as felicidades fáceis”…

E, no nosso caso, foi nesse tempo que pudemos nos valer de uma escola exemplar que formou tantas figuras importantes e bem-sucedidas de nossa comunidade (e de nosso país!), assim como, nos legou relacionamento e formação educacional singulares!

Em 18 de outubro de 2016, com o título “A educação que educava”, a conhecida jornalista Eliane Cantanhêde, destacou o Instituto de Educação Presidente Kennedy, em sua coluna diária no jornal O Estado de S. Paulo, após ter participado, acompanhando seu marido, de uma “reunião de velhos colegas de 50 anos atrás, do antigo ginásio, clássico, científico e normal”.

No artigo, ela reflete sobre o que foi e o que é o ensino público no Brasil e ficou surpresa com a quantidade e qualidade dos profissionais lá presentes, como deputados, ex-Ministro, ex-Secretários, ex-Prefeitos, dentre outras figuras públicas de importância no cenário político local, estadual e federal, além de formar oficiais das Forças Armadas, Mestres, Doutores e Livre-Docentes de universidades públicas estaduais e federais. Lembremo-nos, ainda, de profissionais que fizeram sucesso e se tornaram referências em suas profissões aqui e mundo afora!

Não hesito em afirmar que nós, que tivemos a oportunidade de estarmos lá presentes, geográfica e historicamente, temos que nos considerar privilegiados por essa oportunidade que nos foi proporcionada! O Projeto Soul Kennedy vem, não só para regatar, mas para reparar o fim da denominação Instituto de Educação Presidente Kennedy!

Orestes Camargo Neves